Ouça agora

Ao vivo

Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Estado
Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Destaque
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Costa do Sol
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Angra dos Reis
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Maricá
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar
Estado
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar

Diniz valoriza vitória e destaca apoio da torcida: ”Entende o que está sendo feito”

Treinador também tira peso de Cano, que voltou a passar em branco na vitória sobre o Bragantino: "Ele está super tranquilo, tenho segurança que no momento certo ele vai fazer"
Foto: FFC

O Fluminense venceu o RB Bragantino por 2 x 1 pelo Brasileirão. A equipe voltou a vencer após cinco jogos e o treinador Fernando Diniz comentou a sequência negativa recente e a eliminação para o Flamengo, no meio de semana, pela Copa do Brasil.

Em entrevista coletiva após o jogo, o técnico Fernando Diniz agradeceu o apoio da torcida no momento conturbado do time:

”Acho que a torcida do Fluminense entende o que está sendo feito. Futebol é muito louco, igual eu fui questionado aqui de céu e inferno. Não tinha nem céu nem inferno, foram 15 dias. Da derrota para o Botafogo até a derrota para o Flamengo deu menos que 15 dias. Começa um monte de questionamento, mas a torcida do Fluminense tem uma relação muito especial com esse time, joga junto e tem sido fundamental desde o dia que cheguei aqui. Quero agradecer muito à torcida” afirmou o treinador.

O triunfo é visto como alívio, já que o time carioca também não marcou gols durante os cinco últimos compromissos. Diniz ainda analisou a posse de bola no Fla-Flu e comparou as chances criadas com o rival.

“A posse serve muito, primeiro para não tomar o gol, temos que procurar não tomar e depois criar alguma coisa. Quase todos os jogos que eu estou aqui fizemos gol, embora a gente tenha ficado cinco sem marcar. Com isso, tivemos 10 escanteios e o Flamengo 4, sabíamos que o gol podia sair ali. Das chances, tivemos o Cano, uma raspada no escanteio, como o Flamengo teve com o Arrascaeta. Se quiser analisar, é só ver quantas vezes o Cano já fez gol assim e o Arrascaeta também. O jogo de futebol não é lógica. Se fosse lógica, o gol que teria saído assim seria o do Fluminense.”

Outro ponto abordado pelo técnico foi o momento de Cano. O artilheiro do Fluminense na temporada está há seis jogos sem marcar gols. Diniz tirou o peso do jejum do atacante.

”O Cano, muito diferente dos outros, está super tranquilo. Ele está perto de fazer gol, tenho confiança. Não deixa de ajudar o time na parte defensiva. Um exemplo do que é a alma do time. O Cano, nos últimos dois jogos, teve oportunidade de marcar. Nos outros a bola estava indo para um lado e ele parecia não estar conectado com o time. Hoje ele teve algumas oportunidades que poderia ter feito, mas tenho segurança que no momento certo ele vai fazer.”

Diniz ainda citou sobre as substituições feitas e desfalques para os próximos jogos.

“Só estou pensando no River. A gente vai montar o que tiver de melhor. A gente tem que focar no River, é um jogo difícil. Depois a gente vai ver o que faz. O Felipe Melo é uma substituição tranquila, a gente tem jogador da posição. Do Samuel, a gente vai ter que pensar com calma quando for se preparar para o Goiás.”

”Lançar jogador não é uma coisa simples, de fora parece fácil, parece que fiz um movimento equivocado, lançar eles na dificuldade e não num jogo mais fácil, que seria hoje, mesmo com um 2 a 1 do jeito que foi. Se coloco hoje, não corresponde e saímos com um empate, a torcida faria aquele movimento que faz. Depois do passado, parece que não era para botar contra o Corinthians, em um jogo que estávamos bem. Tem que jogar do jeito que as coisas estão nos treinamentos. Se tem uma coisa que eu sei bem é lançar garoto. A gente tem que sentir, é fácil falar de fora. Tem que botar o Esquerdinha? Tem que sentir. Eu senti como repercutiu, vou trabalhando sempre no foco para saber o momento de botar. Quem está de fora tem que saber o pensamento de quem está aqui dentro. Eu boto quem eu acho que vai nos aproximar da vitória.”