Ouça agora

Ao vivo

Nova Iguaçu é o segundo município do Brasil em adesões à CIPA Escolar
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu é o segundo município do Brasil em adesões à CIPA Escolar
Trabalha Rio estará em quatro bairros nesta semana para cadastrar currículos
Rio de Janeiro
Trabalha Rio estará em quatro bairros nesta semana para cadastrar currículos
Em reunião com prefeitos das regiões Norte e Noroeste, governador apresenta mais de 450 ações realizadas no interior
Estado
Em reunião com prefeitos das regiões Norte e Noroeste, governador apresenta mais de 450 ações realizadas no interior
Lancha explode em Cabo Frio e deixa nove feridos
Costa do Sol
Lancha explode em Cabo Frio e deixa nove feridos
Angra vai sediar evento sobre desenvolvimento sustentável
Angra dos Reis
Angra vai sediar evento sobre desenvolvimento sustentável
Estados e municípios terão plano de combate à violência contra mulher
Destaque
Estados e municípios terão plano de combate à violência contra mulher
Serviço de microchipagem em animais será lançado nesta quarta em Macaé
Norte Fluminense
Serviço de microchipagem em animais será lançado nesta quarta em Macaé

Desigualdade despenca no mundo e cresce dentro de grandes países

Foto: Reprodução

Embora ainda seja muito alta, a desigualdade global não era tão baixa desde o final do século 19. O índice de Gini mundial é o menor em 125 anos. Ele despencou de 70 para 60 nos últimos 20 anos. Ao mesmo tempo, aumentou a desigualdade dentro de grandes países como Estados Unidos, Índia, Rússia e na maior parte da Europa.

O principal motor da queda da desigualdade global nessas duas décadas foi o crescimento da China, que tirou centenas de milhões de pessoas da pobreza nas últimas décadas. Mas é improvável que essa tendência global rumo a uma menor desigualdade se mantenha por muito mais tempo. Por vários motivos:

  • O crescimento chinês desacelerando
  • À medida que enriquecem, menos chineses deixam de fazer parte da base da pirâmide de renda global e, portanto, a melhora de sua condição deixa de diminuir a desigualdade no mundo
  • A desigualdade dentro da China está crescendo

A renda média de um chinês em 1988 o colocava na metade de baixo da tabela mundial, entre os 45% mais pobres do mundo. Hoje, esse mesmo chinês médio está entre os 70% mais ricos.

Tão significativo quanto isso, os chineses estão ocupando o topo da pirâmide global de renda. Se o país continuar crescendo três pontos percentuais anuais a mais que os EUA, em duas décadas haverá tantos milionários chineses quanto americanos. Isso vai mudar a balança de consumo e de comportamento, com impactos culturais profundos.

Catador de lixo na China. Foto: Reprodução

O coeficiente de Gini varia de 0 a 100 e, quanto menor, melhor, sendo atribuído zero ao cenário em que todos tenham a mesma renda e 100 se um único indivíduo concentrasse toda a renda. No índice global, a comparação é entre as rendas dos países, enquanto o nacional considera a dos cidadãos.

Expectativa de desaceleração 

Após o índice de Gini despencar 10 pontos nos últimos 20 anos, a expectativa é que, com crescimentos mais modestos do PIB chinês, a queda não continue. A esperança para a tendência ser mantida é que a Índia, país mais populoso do mundo, passe por um processo de crescimento econômico semelhante ao chinês, ou que a África saia da pobreza majoritária que sua população enfrenta hoje.

Turbulência política, polarização e crescimento da extrema-direita

A mudança de patamar econômico da população chinesa ajuda a explicar o atual contexto global. A população de classe média da Europa e dos Estados Unidos passou a ter mais dificuldades econômicas e acabou perdendo frente a outros segmentos do mundo. Isso ajuda a explicar a turbulência política, a polarização e o crescimento da extrema-direita em muitos países.

Desigualdade diminuiu no Brasil

Seguindo a tendência global, a desigualdade também diminuiu nos últimos anos e hoje está pouco acima de 50 pontos, abaixo da média global que é de 60. Apesar de ainda estar longe de ser um país igualitário, essa queda na desigualdade aconteceu, sobretudo, devido aos programas de distribuição de renda como o Bolsa Família.