Ouça agora

Ao vivo

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Mundo
Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem o Estado da Palestina
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Política
Comissão da Alerj quer fortalecimento das Cozinhas Solidárias para combater a insegurança alimentar no estado
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Esportes
Paes se reúne com Landim e afirma que pode desapropriar terreno para estádio do Flamengo
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Estado
Detran.RJ amplia emissão da Carteira de Identidade Nacional (CIN) para pessoas até 50 anos de idade
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Destaque
Mais de 10 milhões de pessoas ainda não entregaram declaração do Imposto de Renda
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Brasil
Professores de universidades federais se dividem sobre aceitar proposta e acabar com a greve
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa
Rio de Janeiro
Bombeiros combatem incêndio na área da caixotaria do Ceasa

Crimes ambientais crescem 52% em 5 anos, na cidade do Rio de Janeiro

Entre os crimes mais cometidos estão o tráfico de animais silvestres e extração ilegal de areia em áreas protegidas.
Foto: Reprodução

De acordo com um dos dados do novo boletim da organização Rede de Observatórios da Segurança, intitulado Além da floresta: crimes socioambientais nas periferias, lançado nesta segunda-feira (19), os crimes ambientais aumentaram mais de 52% na cidade do Rio de Janeiro, entre 2017 e 2022, acumulando quase 4800 registros nesse período. A capital está em um patamar sete vezes superior à da segunda colocada do estado, a cidade de Maricá, com 684 casos.

A partir de dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro, o relatório soma mais de 21 mil registros em todo o Estado, ao longo de seis anos, com um pico no ano de 2021, com mais de 4.600 casos. Entre os crimes mais cometidos estão o tráfico de animais silvestres e extração ilegal de areia em áreas protegidas.

O boletim também analisa dados de outros seis estados: Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Pernambuco, e São Paulo. Uma das principais conclusões é que esses locais tem sofrido com a entrada de facções criminosas nas periferias rurais, incluindo quilombos e aldeias indígenas, com elevados índices de crimes socioambientais como grilagem de terras, exploração ilegal de madeira e garimpo em áreas não autorizadas.

Jonas Pacheco, pesquisador da Rede de Observatórios da Segurança, destaca a complexidade dos crimes cometidos.

Além disso, os pesquisadores explicam que em muitos casos as populações são expulsas de seus territórios por empreendimentos ilegais, e isso acaba criando um ambiente propício para a exploração de facções.

A pesquisa também mostra que o racismo e o encarceramento da juventude negra persiste no modelo de segurança pública adotado no combate a estes crimes, como explica Jonas Pacheco.

O estudo também destaca o grande número de violações cometidas contra os povos tradicionais na Bahia durante 2017 e 2022, com 428 vítimas. Também houve aumento significativo nos crimes ambientais nos últimos dois anos nos estados do Maranhão, com crescimento de quase 29% e Pernambuco, com número de casos saindo do patamar de 800 por ano para uma média de mais de mil.