Ouça agora

Ao vivo

Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Costa do Sol
Rio das Ostras fecha ruas para oferecer mais segurança no Jazz e Blues
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Norte Fluminense
Defesa Civil de Macaé divulga comunicado sobre rajadas de vento na região
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Angra dos Reis
Defesa Civil de Angra presta auxílio ao Rio Grande do Sul
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Maricá
Assistência Social registra quase 3 mil atendimentos no mutirão do CadÚnico
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Nova Iguaçu
Cinema e cultura popular são os destaques da semana no II Festival de Artes de Nova Iguaçu
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Estado
Polícia Civil faz operação contra venda ilícita de cobre em diversas regiões do RJ
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho
Rio de Janeiro
Lojistas cariocas esperam aumento de 4% nas vendas para o 12 de Junho

Corregedoria do Ministério Público apura conduta de procuradores do MPF após denúncia

Empresário Sérgio Mizrahy alega 'verificação de tortura' e 'métodos medievais' por parte dos procuradores. Em nota, o MPF disse que os procuradores sustentam que 'os fatos narrados são falsos, fantasiosos e carecem de prova'.
Foto:Reprodução

A Corregedoria Nacional do Ministério Público (CNMP) abriu uma representação para analisar a conduta de 10 procuradores do Ministério Público Federal (MPF) da extinta Operação Lava Jato fluminense.

A medida acontece depois que o empresário Sérgio Mizrahy informou à Corregedoria da Procuradoria-Geral da República que foi coagido a firmar um acordo de delação premiada.

Na denúncia ao CNMP, Mizrahy pede a “verificação de tortura” e “métodos medievais” para forçá-lo a fazer delações. Segundo ele, os procuradores ameaçaram prender sua mulher e seus três filhos e mantê-lo detido por 40 anos.

“Você já viu como é a cadeia? Você quer isso para os seus filhos? Mas vou prender eles, depois eles provam”, teria dito um dos procuradores.

A peça ainda relata “condições extremamente degradantes” na prisão, como “condições mínimas de higiene”, “camas empesteadas de percevejos” e “comida intragável”.

MPF: ‘Fatos fantasiosos’
Em nota, o MPF disse que “os procuradores citados tiveram conhecimento da suposta representação por meio da imprensa”. Ainda de acordo com o órgão, os procuradores sustentam que “os fatos narrados são falsos, fantasiosos e carecem de prova, razão pela qual adotarão as providências cabíveis contra os responsáveis na esfera cível e criminal”.

Sérgio Mizrahy, que também é engenheiro, foi preso na Operação Câmbio, Desligo por atuar com o doleiro Cláudio Souza, o Tony, e com Rafael Alves, operador do ex-prefeito Marcelo Crivella, em trocas de cheques, pagamentos de boletos e empréstimo de dinheiro.

Esse foi o segundo pedido ao CNMP feito nas últimas duas semanas por alvos da Lava Jato do Rio. A solicitação anterior foi de Tony, que também disse ter sido coagido a delatar.

Pedido de providência
O pedido de Mizrahy mira os procuradores Eduardo Ribeiro Gomes El Hage; Fabiana Keylla Schneider; Felipe Almeida Bogado Leite; José Augusto Simões Vagos; Leonardo Cardoso de Freitas; Marisa Varotto Ferrari; Rafael A. Barretto dos Santos; Rodrigo Timóteo da Costa e Silva; Sergio Luiz Pinel Dias; e Stanley Valeriano da Silva, todos da extinta Lava Jato.

O empresário foi alvo de ação de busca e apreensão e acabou preso preventivamente em maio de 2018. Ele foi acusado de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção passiva com base na delação premiada de Tony.

Mizrahy cumpriu 230 dias de prisão preventiva, revogada após delação e homologação de acordo pelo juiz Marcelo Bretas.

Na delação, Mizrahy descreveu a suposta existência de um esquema de propina na Prefeitura do Rio. O caso levou à prisão de Marcelo Crivella (Republicanos), em 2020.

Depois da prisão preventiva e do acordo de delação, o caso de Mizrahy ficou paralisado: a denúncia contra ele só foi protocolada 30 dias depois da prisão preventiva, e até hoje não houve audiência de instrução e julgamento.