Ouça agora

Ao vivo

Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Estado
Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Destaque
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Costa do Sol
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Angra dos Reis
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Maricá
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar
Estado
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar

Corregedor Nacional de Justiça vai a Curitiba para devassa em atos suspeitos da Lava Jato e do TRF-1

O TRF-4 teve papel de destaque na Lava Jato porque cabia à Corte revisar os atos e decisões do então juiz Sergio Moro, hoje senador do União Brasil pelo Estado do Paraná
Foto: Tania Rego / Agência Brasil

Uma correição extraordinária está sendo realizada na 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba e no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), responsáveis pela operação Lava Jato, a fim de examinar cerca de R$ 300 milhões em depósitos judiciais.

O corregedor nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão, pretende analisar detalhadamente as decisões relacionadas a esses recursos, assim como sua origem e destino, podendo solicitar a quebra de sigilo bancário, se necessário.

Essa inspeção extraordinária foi aberta após o afastamento do juiz Eduardo Appio de suas funções, em meio a alegações de uma suposta ameaça ao desembargador federal Marcelo Malucelli. Appio nega as acusações. Antes de ser afastado, ele estava revisando as decisões do ex-juiz Sergio Moro, seu antecessor.

Salomão também tem a intenção de examinar minuciosamente os acordos de cooperação internacional e a condução das delações premiadas. O ministro estará em Curitiba esta semana para acompanhar de perto os trabalhos. Em 2019, um acordo homologado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, já havia estabelecido que os R$ 2,6 bilhões, originalmente destinados a um fundo a ser administrado pelo Ministério Público Federal (MPF), fossem depositados na conta única do Tesouro para serem utilizados em gastos com saúde e educação.

Com informações do Painel/Folha