Ouça agora

Ao vivo

Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Destaque
Comando de Polícia Rodoviária registra queda no número de acidentes com vítimas fatais durante o feriado de São Jorge
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Política
Alerj aprova projeto para ampliar combate ao trabalho análogo à escravidão
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Rio de Janeiro
Prefeitura do Rio promove consulta pública sobre concessão de parques municipais
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Maricá
Maricá recebe prêmio destaque do artesanato na 16ª Rio Artes
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Estado
Passagem de carretas interditará descida da serra de Petrópolis na madrugada de 25/04
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
Política
Cidades do Rio podem ganhar “Café do Trabalhador”
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil
Esportes
CBF divulga data e horário dos jogos da terceira fase da Copa do Brasil

Condenada pela morte de Isabella Nardoni, Anna Carolina Jatobá é solta

Decisão foi tomada após a Justiça conceder progressão para o regime aberto; ela foi condenada em 2010 pelo assassinado da menina de 5 anos.
Foto: Reprodução

Condenada pela morte de Isabella Nardoni, assassinada em 2008 em São Paulo, Anna Carolina Jatobá deixou a prisão nesta terça-feira (20), depois de a Justiça conceder a ela a progressão para o regime aberto. Anna Carolina era madrasta de Isabella, que tinha 5 anos quando morreu.

A informação foi confirmada pelo advogado Roberto Podval, que representa Anna Carolina Jatobá.

Anna Carolina foi condenada em 2010 pelo assassinato da criança. O então marido dela, Alexandre Nardoni, pai de Isabella, também foi condenado. A menina foi arremessada pela janela do sexto andar de um prédio na zona norte da capital paulista. Segundo entendimento aceito pela Justiça, o casal foi responsável pelo crime.

Em maio deste ano, a 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por unanimidade, que a Justiça de São Paulo deveria analisar o pedido de progressão de regime feito por Anna Carolina Jatobá independentemente da realização de exames psicológicos.

A defesa dela havia recorrido da decisão do juiz da execução da pena, que condicionou a análise sobre a concessão de progressão ao regime aberto à realização de exames criminológico e teste psicológico.