Ouça agora

Ao vivo

Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta redução das Mortes Violentas Intencionais no RJ
Destaque
Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta redução das Mortes Violentas Intencionais no RJ
Escola Municipal do Idoso está com inscrições abertas até o dia 23/07
Maricá
Escola Municipal do Idoso está com inscrições abertas até o dia 23/07
Colecionadores podem comprar selos em comemoração aos 50 anos da Hello Kitty
Destaque
Colecionadores podem comprar selos em comemoração aos 50 anos da Hello Kitty
Inscrições para o Prouni abrem nesta terça-feira (23)
Brasil
Inscrições para o Prouni abrem nesta terça-feira (23)
Cláudio Castro autoriza construção de três novos batalhões da PM
Destaque
Cláudio Castro autoriza construção de três novos batalhões da PM
G20 inicia semana de encontros econômicos e sociais no Rio
Brasil
G20 inicia semana de encontros econômicos e sociais no Rio
Eleitorado do Rio de Janeiro será 4,6% maior nas eleições deste ano
Política
Eleitorado do Rio de Janeiro será 4,6% maior nas eleições deste ano

CBF vai definir na próxima semana o comando da seleção feminina

Avaliação da CBF vai envolver não apenas a treinadora, mas também a estrutura da seleção
Foto: Rafael Ribeiro

O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, vai definir o futuro da seleção brasileira feminina no início da próxima semana. A permanência da técnica Pia Sundhage está sob grande risco, mesmo com contrato até o fim dos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024.

É provável que os próximos compromissos da seleção – dois amistosos em setembro, na próxima Data Fifa – sejam disputados sob o comando de uma nova comissão técnica.

A seleção brasileira foi eliminada na fase de grupos da Copa do Mundo da Austrália e da Nova Zelândia, pior resultado desde o Mundial de 1995.

O fato de estar numa chave considerada acessível, com França, Panamá e Jamaica, pesa na avaliação negativa não apenas de Pia, mas da estrutura da seleção como um todo.

O trabalho da coordenadora de seleções femininas, Ana Lorena Marche, também está sob avaliação.

A possibilidade de Pia ser aproveitada em outro cargo dentro da CBF está descartada – muito por causa da barreira do idioma. O fato de a treinadora sueca não falar português nunca foi um problema para dirigir a seleção. mas é considerado um empecilho num cargo administrativo.

A CBF ainda não fala sobre os nomes favoritos a suceder Pia em caso de eventual demissão. Em entrevista coletiva após o jogo contra a Jamaica, a treinadora se limitou a dizer:

– Meu contrato se encerra no dia 30 de agosto do ano que vem.

Encerrada a participação da seleção na Copa do Mundo, Pia Sundhage voltou para a Suécia. Antes de viajar, reuniu as jogadoras no hotel em Melbourne e se despediu delas.

Em nota publicada na semana passada, a CBF afirmou que iria “intensificar o investimento” em futebol feminino. Mas não fazia nenhuma menção específica à comissão técnica.