Ouça agora

Ao vivo

Governo Federal não aceita negociar com servidores do INSS e greve é mantida
Brasil
Governo Federal não aceita negociar com servidores do INSS e greve é mantida
Primeira pesquisa depois de atentado mostra empate técnico entre Biden e Trump nos EUA
Destaque
Primeira pesquisa depois de atentado mostra empate técnico entre Biden e Trump nos EUA
Irmãos Brazão negam envolvimento com milicianos do Rio de Janeiro
Política
Irmãos Brazão negam envolvimento com milicianos do Rio de Janeiro
Justiça considera que Uber é responsável por itens pedidos em entregas
Destaque
Justiça considera que Uber é responsável por itens pedidos em entregas
Mega-sena acumula novamente e prêmio chega a R$ 47 milhões
Brasil
Mega-sena acumula novamente e prêmio chega a R$ 47 milhões
Servidores do INSS entram em greve a partir dessa terça-feira (16/07)
Brasil
Servidores do INSS entram em greve a partir dessa terça-feira (16/07)
Maricá das Artes realiza dois saraus culturais em julho
Cultura
Maricá das Artes realiza dois saraus culturais em julho

Briga, puxão de cabelo e delegacia: STJD vai analisar confusão no Troféu Brasil

Ana Carolina Vieira e Jhennifer Conceição - ambas do Esporte Clube Pinheiros- chegam às vias de fato durante Troféu Brasil de Natação, em Recife. Boletim de Ocorrência é registrado na delegacia
Foto: Sátiro Sodré/CBDA

Duas atletas da mesma equipe, o Esporte Clube Pinheiros, de São Paulo, brigaram na última terça-feira, no Troféu Brasil de Natação, sediado no Parque Aquático do Centro Esportivo Santos Dumont, em Recife (PE). A confusão, que chegou a ter agressão física, foi parar na Delegacia de Boa Viagem e, agora, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva da natação vai analisar o caso para decidir se haverá pena para as envolvidas.

A confusão se deu próximo ao pódio, onde três atletas do Pinheiros levaram medalhas. Jhennifer Alves foi ouro nos 100m peito, enquanto Nichelly Lysy e Ana Carolina Vieira ficaram com a prata e o bronze, respectivamente.

Ana Vieira e Jhennifer costumam trocar indiretas nos campeonatos há algum tempo. Após a prova, elas tiraram fotos juntas – assim como Nichelly Lysy, também integrante do Pinheiros -, porém, Ana ainda disputaria o revezamento e queria “soltar”. Jhennifer teria respondido, em tom que soou grosseiro, que era apenas uma foto rápida.

Em seguida, Jhennifer caminhou em direção ao canto da piscina para tirar uma foto com a estátua de uma tartaruga. A atleta teria proferido algo que irritou Ana Vieira. Quando Jhennifer virou de costas, a desafeto a puxou pelo cabelo e a empurrou. Jhennifer bateu com o rosto na grade, ficou de frente e devolveu o puxão. Neste momento, Ana arranhou o pescoço da rival, e ambas precisaram ser apartadas.

Uma fonte ligada a Jhennifer garante que a atleta foi agredida pelas costas, desprevenida, sem proferir a frase que teria desencadeado a confusão. A nadadora estaria abalada com a repercussão, pois não costuma se envolver em polêmicas e apresenta um calombo no pescoço devido aos arranhões.

Quando ganhou a prova, Jhennifer fez o sinal de silêncio, ainda dentro da piscina, colocando o dedo na boca. O gesto – que foi apontado como provocação à Ana -, segundo fontes ligados à atleta, teria sido destinado às pessoas que criticaram sua performance neste primeiro semestre.

A reportagem entrou em contato com Ana Carolina Vieira – que visualizou, mas não respondeu à mensagem. Jhennifer, por sua vez, optou por não conceder entrevista, alegando estar assustada com a situação, mas indicou pessoas próximas para falar.

Ana Carolina Vieira e Jhennifer Conceição – apesar de pertencerem ao mesmo clube -, não treinam juntas, nem possuem os mesmos técnicos. Não são amigas. Todavia, um desentendimento desta natureza foi inesperado.

Familiares de Jhennifer registraram um Boletim de Ocorrência de Lesão Corporal na Delegacia de Boa Viagem. As atletas não foram punidas pela organização do Troféu Brasil, contudo, o STJD irá analisar o caso para decidir se haverá pena para as envolvidas.

O que diz o Esporte Clube Pinheiros

A situação foi resolvida internamente entre as atletas. E, como o caso foi denunciado ao STJD, o clube aguarda esta definição.

O que diz a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos

A CBDA decidiu permitir que as atletas continuassem a competir “porque o procedimento é: adverti-las formalmente (já que é a primeira vez que acontece) e encaminhar o relatório do acontecido ao STJD. Lá, eles decidem a punição cabível”.