Ouça agora

Ao vivo

Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Estado
Procon e Conselho de Veterinária fazem fiscalização e interditam clínicas na zona norte do Rio
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Destaque
Governo se reúne com professores e servidores federais em greve para discutir revisão de carreira
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Costa do Sol
Rio das Ostras e Senac RJ oferecem curso gratuito no setor de Gastronomia
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Angra dos Reis
Workshop de atendimento segue com inscrições abertas
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Maricá
Maricá lança ferramenta de segurança nas escolas
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Nova Iguaçu
Nova Iguaçu recebe mais uma edição da Festa de São Jorge
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar
Estado
Governador Cláudio Castro nomeia novo secretário de Polícia Militar

Brasil chega a marca de 203 milhões de habitantes, o menor índice já registrado

O levantamento aponta uma queda de desenvolvimento populacional do Brasil, o menor índice já registrado, desde o primeiro Censo, realizado em 1872.
Foto: Divulgação

O IBGE começou a divulgar nesta quarta-feira (28), os resultados do Censo Demográfico de 2022. O levantamento apontou a existência de 203.062.512 de habitantes no país. O número representa um aumento de 12 milhões em relação a 2010, data em que o último levantamento foi feito. Em 2010 o Brasil totalizava 190.99.755 milhões de habitantes no país.

Apesar do aumento de 12 milhões de habitantes, o quantitativo aponta uma queda de desenvolvimento populacional do Brasil, o menor índice já registrado, desde o primeiro Censo, realizado em 1872. O Brasil nunca cresceu tão pouco.

O levantamento representa as primeiras informações processadas pelo país depois da pandemia de Covid-19. A pesquisa deveria ter ido a campo em 2020, mas o mundo enfrentava a crise sanitária do Covid-19, e por conta de falta do orçamento por parte do governo federal, não foi possível acontecer. De acordo com o IBGE, a ausência de uma contagem de população no meio da década impactou o resultado. Os principais fatores que influenciaram o índice foram: os impactos das epidemias que assolaram o Brasil e o mundo nos últimos anos; a migração global; a queda nos registros de novos nascimentos e famílias cada vez menos numerosas.

Os pesquisadores do IBGE ainda irão analisar as informações apuradas pelo Censo, para que seja mapeado corretamente as mudanças ao longo dos últimos anos.

 

Índice populacional das regiões brasileiras 

A região Norte do país foi a que registrou maior queda no crescimento anual da população. Em 2010, o número de habitantes nessa localidade crescia 2,09% ao ano. Em 2000, chegava a 2,86%. Já em 2022, despencou para 0,75% ao ano.

A região Centro-Oeste foi a única com crescimento ao ano superior a 1% em 2022. Porém, é ainda menos populosa, com 6,3 milhões de habitantes, o que corresponde a 8,02% da população do país.

O Nordeste registrou o menor crescimento em 2022: somente 0,24%.

A região Sudeste continua concentrando a maior parte dos brasileiros, totalizando 84,8 milhões de habitantes, o que representa 41,8% da população brasileira. Os três estados brasileiros mais populosos são: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Os três juntos concentram 39,9% da população do país.