Ouça agora

Ao vivo

Cartórios podem renegociar dívidas enviadas a protesto
Destaque
Cartórios podem renegociar dívidas enviadas a protesto
Brasil encara Costa Rica na estreia da Copa América esta noite nos EUA
Esportes
Brasil encara Costa Rica na estreia da Copa América esta noite nos EUA
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Estado
Governo do Rio promove 3ª edição da ExpoRio Turismo nesta semana
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Cultura
Quadrilha Junina é reconhecida como manifestação cultural do Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Brasil
Bairros voltam a inundar em Porto Alegre e moradores têm que deixar suas casas
Rioprevidência alerta para suspensão do benefício de pensionista que não fez o recenseamento obrigatório em novembro
Estado
Rioprevidência alerta para suspensão do benefício de pensionista que não fez o recenseamento obrigatório em novembro
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho
Brasil
Portabilidade do saldo devedor do cartão de crédito começa em julho

Betinho Dauaire otimista com Elísio, mas não descarta nome do clã na disputa em 2024

Ex-prefeito de São João da Barra, Betinho Dauaire afirmou, em entrevista ao Manchete Podcast nesta segunda-feira (17), que está feliz com o entusiasmo da pré-candidatura do vereador Elísio Rodrigues (PL) a prefeito do município. As conversas já foram iniciadas, mas a composição, avalia Betinho, preciso de um posicionamento do deputado Rodrigo Bacellar (PL), presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), parceiro político de Elísio. Contudo, o ex-prefeito não descarta a possibilidade de uma candidatura da sua família: seja com o deputado estadual Bruno Dauaire (União), atual secretário estadual de Habitação, ou até mesmo com ele novamente na disputa:

— Nossa história em São João da Barra está escrita. Tem novos capítulos? Pode ter. Mas ela está escrita. Ninguém apaga 73 anos (da família Dauaire) de vida pública. Acho que está na hora dos jovens contribuírem. A minha contribuição fui dada, fiz bem. Já quis voltar, para dar continuidade quando vi perder tudo que eu construí. Fui o prefeito com menor recursos que mais obra fez no município. Uma obra que eu fiz com dificuldade e vejo interditada como a passarela de Grussaí. E nessa situação com um bilhão, R$ 800 milhões de receitas? O ginásio de esportes, só agora (em reforma), depois de anos. Isso me dói. As obras que fiz em SJB foi com amor. A possibilidade (de disputar novamente a eleição) sempre existe — pontuou Betinho.

Para Betinho, não há espaço para uma terceira via na disputa eleitoral do município. “A oposição tradicional de SJB é a família Dauaire. As outras oposições — que se diz oposição e divide o voto —, acabam caindo nos braços do governo. Nós temos vários exemplos de pessoas queridas, que eu gosto, que estiveram na oposição em eleição passada e agora estão no governo. O que nós tratamos hoje é da união da oposição e uma dissidência do governo, que é o Elísio, que é o (vereador) Analiel. E isso é muito bom para oposição. É o momento de plantar essa semente, porque isso faz crescer. O foco maior é unir oposição, não tem terceira força em SJB”.

O ex-prefeito também comentou sobre uma política menos agressiva na região, com o diálogo mais aberto entre opositores partidários. Citando inclusive conversas do filho, Bruno, com a ex-prefeita e deputada estadual Carla Machado (PT). Betinho também falou sobre a relação com a prefeita Carla Caputi (sem partido), mas não deixou de alfinetar a gestão. Acredita que o grau de investimento vai subir devido as emendas impositivas criadas quando Elísio era presidente da Câmara. E fez duras críticas ao que considera uma “máquina eleitoreira“: “SJB cria uma sistemática quase análoga a uma escravidão, só que uma escravidão eleitoral, por causa da necessidade, da dependência da máquina pública”.

Betinho ainda foi questionado sobre o distanciamento do clã nas últimas duas eleições municipais em SJB. Falou sobre a liderança política do prefeito de Campos, Wladimir Garotinho (sem partido), e de Bacellar — e inclusive vendo os dois com fôlego para disputar cargos mais altos na política. Ele também comentou sobre a sua relação com a ex-prefeita e deputada Carla Machado.