Ouça agora

Ao vivo

Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Costa do Sol
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Angra dos Reis
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Destaque
Prefeitura do Rio derruba mansões de luxo de até R$ 4 milhões no Joá
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana
Norte Fluminense
Celebração em Honra a São Cristóvão movimenta Macaé neste fim de semana

Bernadete Pacífica, líder quilombola, é assassinada na Bahia

Mãe Bernadete era a proeminente líder do Quilombo Pitanga dos Palmares, no município de Simões Filho, na região metropolitana de Salvador
Imagem: Reprodução

Na noite desta quinta-feira, foi tragicamente assassinada a líder quilombola Bernadete Pacífico, também conhecida como Mãe Bernadete. A própria Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos (Conaq) confirmou a informação por meio do seu site na internet. Mãe Bernadete era a proeminente líder do Quilombo Pitanga dos Palmares, situado no município de Simões Filho, Bahia. Além disso, ela desempenhou o papel de secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

“Mãe Bernadete foi vítima de um ato insidioso na noite desta quinta-feira (17/08). Era mãe de Flávio Gabriel Pacífico dos Santos (Binho do Quilombo), liderança quilombola da comunidade Pitanga dos Palmares, que também foi assassinado há 6 anos. O assassinato de Binho, assim como o de muitos outros líderes quilombolas, permanece sem resposta e justiça. Adiciona-se, à injustiça já existente, mais uma vítima da violência que enfrentam aqueles que corajosamente erguem suas vozes para defender nossos direitos ancestrais. Mãe Bernadete, agora silenciada, era um farol brilhante na batalha contra a discriminação, o racismo e a marginalização”, conforme expresso em parte da nota de luto divulgada no site da Conaq.

De acordo com a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, criminosos invadiram o terreiro onde Mãe Bernadete se encontrava. “O racismo religioso mata e gera violências reais”, escreveu a ministra em uma declaração ao portal g1.