Ouça agora

Ao vivo

Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Mundo
Putin faz exigências para “negociar a paz” com a Ucrânia após encontro do G7
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Norte Fluminense
Justiça considera ilegal greve dos educadores de Macaé
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Estado
Governo do estado cria Observatório do Feminicídio
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Rio de Janeiro
Polícia Militar expande programas de polícia de proximidade na zona sul
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Região Serrana
Prédio no Centro Histórico de Petrópolis é destruído por incêndio
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
Destaque
Termina hoje prazo para inscrição no Enem
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios
Política
RS receberá caravana do governo para garantir acesso a benefícios

Amarras de plataforma flutuante na Bacia de Campos se rompem

Sindipetro-NF explica que amarras são usadas para manter a P-31 estável. Entidade disse que pediu desembarque imediato dos trabalhadores.
Foto: Reprodução

O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF) divulgou que duas amarras da plataforma flutuante P-31, na Bacia de Campos, se romperam. O problema ocorre desde esta quinta-feira (6/7), segundo informações de profissionais que atuam no setor.

O Sindipetro-NF disse que pediu o desembarque imediato dos trabalhadores, permanecendo apenas os que são essenciais para as atividades de segurança e reparo dessas amarras.

A entidade explicou que esse sistema de ancoragem garante que a plataforma fique estável, parada. E se ele está comprometido, a segurança dos trabalhadores, e da própria unidade, ficam comprometidos.

O sindicato foi informado que o caso ocorreu durante uma auditoria da ANP (Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis). E disse que os auditores solicitaram o desembarque, por considerarem o local inseguro.

O Sindipetro-NF disse ainda que recebeu a seguinte informação da Petrobras:

“No dia 05/07/2023, às 16h40, foi observado um aumento no passeio da unidade e foi acionada a gerência naval que enviou uma embarcação para inspeção das amarras. Por volta de 01h (06/07/2023) a embarcação Skandi Paraty constatou rompimento da amarra 3. Durante a inspeção do sistema de ancoragem foi identificado também o rompimento da amarra 4, que é adjacente à amarra 3 (…) Após verificação do passeio da unidade além do limite, foi acionado o contato de Emergência Naval. Quando constatado o rompimento, aberto CAEME e ações de contingenciamento de acordo com o plano da Engenharia Naval”.