Ouça agora

Ao vivo

Cláudio Castro se reúne com presidentes do Senado e da Câmara e defende regras mais duras para o combate ao crime
Destaque
Cláudio Castro se reúne com presidentes do Senado e da Câmara e defende regras mais duras para o combate ao crime
Governo cria sistema para emitir carteira para pessoa com TEA
Brasil
Governo cria sistema para emitir carteira para pessoa com TEA
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Destaque
Cantinas de prisões e hospitais penitenciários deixam de funcionar
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Maricá
Estudantes de Maricá conquistam medalhas nos Jogos Escolares do Rio de Janeiro
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Destaque
Luiz Gonzaga será homenageado em Arraiá de Duque de Caxias
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Costa do Sol
Coletivo Vista Minha Pele faz ação em Rio das Ostras
Angra reforça a atualização do CadÚnico
Angra dos Reis
Angra reforça a atualização do CadÚnico

Academia Brasileira de Literatura de Cordel completa 35 anos

Os poetas Severino Honorato, Marlos de Herval, Manoel de Santa Maria, Almir Gusmão, Adelino Ferreira e a Madrinha Mena, na Academia Brasileira de Literatura de Cordel Pedro Ivo - Imagem: Agência O Dia

A Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), localizada em Santa Teresa, na região central do Rio de Janeiro, comemora seu 35º aniversário neste mês, e sua existência reflete a vitalidade do gênero literário conhecido como cordel. A missão da ABLC é elevar a tradição nordestina do cordel a um patamar de destaque no cenário literário nacional.

Esta instituição tem como principal objetivo valorizar e preservar a rica estética literária do cordel, promovendo a reflexão sobre ela e contribuindo para a formação de novos leitores. Além disso, a Academia reúne os principais expoentes da literatura de cordel no Brasil e investe na preservação e disseminação dessa manifestação cultural por meio da publicação de folhetos de diversos autores e da criação de bibliotecas de cordel, conhecidas como “cordeltecas,” em várias regiões do país.

O cordel é uma narrativa contada em versos, caracterizada por seu ritmo, rimas e métricas específicas, e está imersa na cultura regional nordestina. Embora muitos acreditem que o cordel seja uma criação brasileira, na verdade, ele foi trazido para o país pelos portugueses durante o período de colonização, inicialmente desembarcando na Bahia.

A literatura de cordel tem raízes ainda mais antigas, remontando à antiguidade greco-romana, fenícia, cartaginesa e saxônica. Na Península Ibérica, onde se encontram Portugal e Espanha, o cordel já era conhecido desde o século XVI, sendo chamado de “pliegos sueltos” na Espanha e “folhas soltas” ou “volantes” em Portugal. A palavra “cordel” deriva de “cordão, guita ou barbante,” pois esses folhetos eram exibidos pendurados.

No Brasil, o cordel assumiu características regionais e passou a retratar o cotidiano e as histórias do povo nordestino. A literatura de cordel foi disseminada por meio da comunicação oral, já que a comunicação impressa ainda era limitada no país naquela época. Os cordelistas, poetas do cordel, adaptavam as histórias à música de suas violas e passavam de povoado a povoado vendendo poesia.

O cordel também serviu como uma forma de informação e notícias para as comunidades rurais, já que o acesso aos jornais era limitado. Os cordelistas transformavam eventos e acontecimentos em versos, narrando episódios regionais, nacionais e até mundiais em seus folhetos.

Entre os pioneiros da literatura de cordel no Nordeste estão nomes como Jose Galdino da Silva Duda, João Martins de Ataide, Francisco das Chagas Batista e Leandro Gomes de Barros, considerado o pai do gênero. Leandro Gomes de Barros é tão importante para o cordel que uma rua em sua cidade natal, Pombal, na Paraíba, leva o seu nome.

O cordel passou por uma evolução estrutural ao longo do tempo, com a padronização das métricas e das estrofes. As diferentes métricas incluem versos de quatro sílabas, versos de cinco sílabas, sextilhas, setilhas, oitavas, décimas, martelo agalopado, galope à beira-mar, meia quadra e versos alexandrinos, que são os mais longos. A técnica de rima também é única, com a modalidade XAXAXA, em que apenas os pares rimam.

Os folhetos de cordel são padronizados em brochuras com cerca de 11 x 15 cm e podem ter 8, 16, 32, 48 ou 64 páginas. O formato básico contém oito páginas e 32 estrofes em sextilhas, setilhas ou oitavas. O conteúdo pode variar, indo desde dramas e tragédias até romances e sátiras. A harmonia sonora é crucial, uma vez que os poetas costumavam cantar trechos dos poemas nos mercados e feiras para atrair compradores.

A Academia Brasileira de Literatura de Cordel desempenha um papel fundamental na promoção e preservação dessa rica tradição literária, garantindo que o cordel continue vivo e relevante na cultura brasileira.