Ouça agora

Ao vivo

Vítima morta durantge comício de Donald Trump é identificada
Destaque
Vítima morta durantge comício de Donald Trump é identificada
Morre escritor e jornalista Sérgio Cabral Santos aos 87 anos
Destaque
Morre escritor e jornalista Sérgio Cabral Santos aos 87 anos
FBI identifica atirador que tentou matar Donald Trump
Destaque
FBI identifica atirador que tentou matar Donald Trump
Donald Trump sofre atentado durante um comício de sua candidatura à presidência dos EUA
Destaque
Donald Trump sofre atentado durante um comício de sua candidatura à presidência dos EUA
Vestibular Uerj 2025: inscrições para o 2º Exame de Qualificação
Destaque
Vestibular Uerj 2025: inscrições para o 2º Exame de Qualificação
Julgamento de Alec Baldwin por homicídio culposo é anulado por ocultação de provas
Destaque
Julgamento de Alec Baldwin por homicídio culposo é anulado por ocultação de provas
Queimados promove quarta edição da Colônia de Férias no Horto
Baixada Fluminense
Queimados promove quarta edição da Colônia de Férias no Horto

16ª Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa em Copacabana

Evento começou na manhã deste domingo e reuniu mais de 80 mil pessoas
Foto: Reprodução - Tomaz Silva/Agência Brasil

Foi realizada neste final de semana, a 16º edição da Caminhada em Defesa da Liberdade Religiosa, na orla da praia de Copacabana, na zona sul do Rio, que tradicionalmente ocorre no 3° domingo do mês de setembro. O evento é organizado pela Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR) e pelo Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP).

A caminhada contou com a participação de famosos como o pastor Kleber Lucas, a cantora Marina Iris, mestre Kotoquinho e o cantor Marquinhos de Oswaldo Cruz. Representantes de outras regiões e estados também marcam presença, vindos da Bahia, de Minas Gerais, de São Paulo e do Amazonas.

A organização calculou cerca de 80 mil pessoas presentes.

Foto: Reprodução

Segundo Humberto Adami, presidente da Comissão estadual da Verdade e da Escravidão Negra na Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro, esse encontro representa a afirmação da legislação.  E destacou: “é a Constituição Federal sendo afirmada, com a laicidade do estado”.

A iniciativa surgiu em 2008, como reação aos episódios de intolerância religiosa que aconteceram no Morro do Dendê, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio. Na ocasião, religiosos de matriz africana foram expulsos da comunidade pelo traficante Fernandinho Guarabu, que os impedia de usar vestes religiosas.

O segundo Relatório sobre Intolerância Religiosa: Brasil, América Latina e Caribe revela que, por dia, três denúncias de intolerância religiosa foram abertas em 2022.