Ouça agora

Ao vivo

Macaé ganha novas redes de esgoto na Aroeira
Norte Fluminense
Macaé ganha novas redes de esgoto na Aroeira
Itaipuaçu recebe evento Passaporte em Ação
Maricá
Itaipuaçu recebe evento Passaporte em Ação
Petrópolis tem 82 hectares de área queimada no primeiro semestre do ano
Destaque
Petrópolis tem 82 hectares de área queimada no primeiro semestre do ano
Eleições Municipais têm mulheres como maioria do eleitorado, revela TSE
Brasil
Eleições Municipais têm mulheres como maioria do eleitorado, revela TSE
Eduardo Paes lança candidatura à reeleição, mas ainda sem o nome do vice. Pedro Paulo é o preferido
Política
Eduardo Paes lança candidatura à reeleição, mas ainda sem o nome do vice. Pedro Paulo é o preferido
Prouni terá mais de 240 mil bolsas no segundo semestre
Brasil
Prouni terá mais de 240 mil bolsas no segundo semestre
Projeto de Judô transforma vida de 280 crianças em Japeri
Baixada Fluminense
Projeto de Judô transforma vida de 280 crianças em Japeri

100 anos dos Camisas Negras e do primeiro título carioca do Vasco

Luta para incluir negros e operários em um esporte até então elitista é motivo de orgulho para a torcida vascaína; ge preparou perfil dos jogadores campeões em 1923
Foto: Arquivo Vasco da Gama

O dia 12 de agosto de 2023 reserva uma marca especial para o Vasco. Há 100 anos, em 1923, o clube conquistava pela primeira vez o Campeonato Carioca. Não só o título, mas a luta para incluir negros e operários em um esporte até então elitista é também motivo de orgulho para a torcida.

Conhecido como “Camisas Negras”, o time marcou a caminhada do Vasco contra a discriminação racial e social no esporte. A equipe era formada por negros e pobres, em sua maioria, e fez história dentro de campo com uma campanha espetacular: 11 vitórias, dois empates e apenas uma derrota.

O Vasco, até então um clube de remo, aderiu ao futebol em 1915. No ano seguinte, o time se filiou à Liga Metropolitana para disputar a Terceira Divisão. Depois de um início ruim, o clube encontrou em outras ligas, especialmente no subúrbio carioca, o caminho para se firmar no esporte que se tornava tendência no Brasil, buscando jogadores oriundos de equipes menores.

Em 1920, o Vasco recebeu os dois primeiros Camisas Negras, que seriam campeões de 1923: Arthur, do Hellenico Athletico Club, e Torterolli, do Carioca Football Club. Em 1922, mais solidificado, o time venceu a Série B do estadual e chegou à elite na temporada seguinte. De cara, o time comandado pelo uruguaio Ramón Platero venceu os três maiores rivais no primeiro turno para arrancar rumo ao título.

A ótima campanha do Vasco irritou os rivais, que passaram a impor empecilhos para que o clube mantivesse os jogadores. O primeiro deles foi o analfabetismo, critério da Liga Metropolitana para excluir os jogadores do campeonato.
Para que os atletas conseguissem, mesmo que sem uma boa ortografia, escreverem os dados necessários e assinarem o pedido de inscrição ou opção, o Vasco contou com a ajuda do associado Custódio Moura. Bibliotecário do clube, ele ensinava os jogadores a ler e escrever.

Em março de 1924, clubes rivais romperam com a Liga Metropolitana e se reuniram para a fundação da Associação Metropolitana de Esportes Athleticos (AMEA). O Vasco foi convidado a se filiar, desde que excluísse 12 de seus jogadores, sendo sete da equipe principal e cinco do segundo quadro. Em sua maioria, atletas negros e pertencentes às camadas populares da sociedade.
Em 7 de abril de 1924, na secretaria do clube, o presidente vascaíno José Augusto Prestes redigiu e assinou o Ofício n.º 261, a “Resposta Histórica”. Ali, o Vasco desistia de fazer parte da AMEA e ficaria com seus jogadores, marcando seu nome na história.
E